Pesquisar no Blog
cuidar da pelagem do pet
Alimentação Comportamento Cuidados Dicas Imunidade Para Tutores

Como cuidar da pelagem do pet?

Você sabia que a pele é o maior órgão do corpo? Sim, trata-se de um órgão e muito importante para a proteção. É na pele que muitas vezes se manifestam os primeiros sinais de uma doença local ou sistêmica. Além disso, é capaz de isolar os perigos externos do organismo, funcionando como uma proteção mecânica. Então a importância de cuidar da pelagem do pet.

A pele pode revelar muito sobre o bem-estar dos cães e gatos, assim como a pelagem. Por isso, é sempre importante que os pelos sejam sempre brilhantes e macios, enquanto a pele precisa estar hidratada.

Para que você saiba cuidar melhor dos pelos e da pele do cão e do gato, levantamos algumas dicas bem bacanas. Confira!]

Boa alimentação é fundamental para cuidar da pelagem do pet

cuidar da pelagem do pet
A boa alimentação é responsável pelo equilíbrio do organismo do peludinho.

Para ajudar na manutenção da saúde dermatológica, os cães precisam de alimentos balanceados e que favoreçam a digestão dos nutrientes. Saiba como a nutrição correta pode trazer benefícios para o pet:

– Melhor nutrição para a pele;

– Estimula a reconstituição dos tecidos;

– Promove a defesa e manutenção de uma pelagem saudável;

– Reduz a queda excessiva de pelos;

– Promove pelagem mais brilhante;

– Melhora a cicatrização da pele;

– Reduz os odores desagradáveis.

Dos muitos problemas que observamos na pele e pelagem dos cães e gatos, a maioria não tem origem na epiderme. A grande parte é originada por um problema secundário, como má alimentação, alergias, presença de parasitas e etc.

Para ter uma pelagem saudável é importante que o organismo do pet esteja em equilíbrio e com imunidade suficiente para combater doenças. Alguns alimentos têm a capacidade de modular o sistema imune, auxiliando na desintoxicação do organismo e das vias digestivas e contribuir para o fortalecimento das defesas naturais dos pets.

Conheça alguns deles:

Alcachofra – as folhas da alcachofra auxiliam nas funções digestivas, melhoram as funções orgânicas e são imunoestimulantes,  como consequência a melhora da pele e pelos.

Cenoura  – excelente fonte de antioxidantes e a mais rica fonte vegetal da pró-vitamina A e carotenóides, que auxiliam na reconstituição dos tecidos.

Clorela – é uma alga muito utilizada para a suplementação de vitaminas, minerais e aminoácidos. Melhora a imunidade do animal e completa sua nutrição, promove a desintoxicação orgânica e estimula o crescimento e recuperação dos tecidos.

Acerola – maior fonte de vitamina C, antioxidante, estimula o sistema imune e promove o aumento da resistência às doenças.

Proteja o pet de pulgas e carrapatos

cuidar da pelagem do pet
As pulgas e carrapatos podem ser bem incômodos e causar sofrimento aos peludinhos.

Muitos pets têm alergia à picada de pulgas e carrapatos. Por isso, a presença destes parasitas pode acarretar problemas de pele, a chamada Dermatite Alérgica a Picada de Ectoparasitas (DAPE). Para prevenir este problema, mantenha sempre em dia a proteção do pet com antipulgas e carrapaticidas. Você pode optar por coleiras, fórmulas pour on (de aplicação no dorso do animal) ou comprimidos.

Banho demais faz mal

cuidar da pelagem do pet
Banhos em excesso podem ser prejudiciais ao pet.

Por mais que os pets sejam considerados gente por muitos donos, suas necessidades higiênicas são bem diferentes das nossas. Banhos frequentes podem sim fazer muito mal aos cães e gatos.

Entre os problemas que essa prática pode trazer para o pet estão as alergias por fungos e a eliminação da barreira de proteção da pele contra doenças. Isso porque a água e os produtos de limpeza removem a camada de gordura que protege a pele dos cachorros, fazendo que fiquem mais vulneráveis a bactérias, fungos e alergias.

Veja as nossas dicas para saber com que frequência você pode dar banho no seu pet:

Animais de pelo longo: banhos podem ser dados a cada uma semana ou 15 dias durante o ano todo.

Animais de pelo curto: banhos podem ser dados a cada uma semana ou 15 dias no verão e a cada 25 dias no inverno.

Filhotes: o primeiro banho do pet deve ocorrer em casa. Banhos em pet shops somente depois que o filhote receber todas as vacinas.

Mas nenhum tutor gosta de ter um cachorro todo sujo dentro de casa, né? Quando voltam dos passeios, os cães podem chegar com as patas ou focinhos sujos. Mas os banhos em excesso podem fazer mal ao seu pet.

Por isso, o banho a seco pode ser uma opção. No mercado existem produtos próprios para isso. Escolha produtos com pH neutro e cheiro fraco. Isso ajudará a não causar alergias no cão. Assim, qualquer passeio pode ser divertido e, na volta para casa, o pet fica bem cheirosinho!

Qual a escova ideal para o seu pet?

cuidar da pelagem do pet
A escovação é um ato de carinho e cuidado.

Mesmo para os peludos que tomam banho em pet shops, a escovação dos pelos é muito importante para evitar nós e retirar os pelos já sem vida. Mas qual é o tipo de escova ideal para o seu pet?

Rasqueadeiras: com cerdas de aço, são ideais para remover os nós em pets que têm pelos finos e que embaraçam com frequência. Exemplo de raças: Maltês, Shih-Tzu, Lhase Apso, Border Collie.

Escova de aço: as cerdas são de aço, porém mais grossas que as rasqueadeiras. São ideais para pets com pelos de médio a longo. Exemplo: Yorkshire, Maltês, Poodle, Labradores.

Escova de cerdas macias: podem ser usadas em pets com pelos curtos. Exemplo: Daschund, Pug, Buldogue Francês e Inglês.

Até quando a queda de pelos é normal?

A queda de pelos de cães e gatos é motivo de incômodo para muitos donos. Alguns pets perdem uma grande quantidade de pelos e, muitas vezes, trata-se de um mecanismo natural, pois os pelos velhos caem para dar espaço aos novos. Mas quando a queda deve ser motivo de preocupação?

– Queda de pelos que deixam espaços de alopecia (ausência de pelo).

– Áreas com rarefação de pelo ou falhas, onde ele não nasce mais como antes.

– Pelos sem brilho.

– Pelos ásperos.

– Pelos com “caspas”.

A queda de pelos pode estar ligada a diversos fatores, como alergias, infecções por bactérias ou fungos, estresse, alimentação inadequada, uso de medicamentos, entre outros.

Gostou das dicas? Então aproveite para ler também: Xixi no lugar errado: veja como ensinar o cão a não fazer!

Nenhum comentário encontrado.

Deixe Seu Comentário